Tantra é Sexo?

O Tantra não está ligado a incríveis performances sexuais, orgias mirabolantes ou sexo grupal como frequentemente se propagam por aí. As pessoas que se aproximam do Tantra com uma motivação puramente sexual sairão frustradas.

O Tantra Original propicia conhecimento e oferece as experiências práticas que permitirão mudar os paradigmas com relação à sexualidade humana.

Por meio das e Meditações Tântricas, há um predomínio da consciência e da percepção sobre a influência da energia sexual primitiva. Para sair do instinto e entrar no potencial transcendente dessa força é necessário criar algumas reorganizações neurofuncionais no nosso corpo, ressignificando os sentidos físicos.

Na condição normal, primitiva, a energia sexual se apropria do indivíduo, tomando conta da ação sexual. Sempre que isso acontece, os sentidos físicos, a consciência, as emoções e  a inteligência ficam comprometidos.

Há uma perda geral da razão e da lógica; uma queda significativa nos níveis de inteligência, onde a regência do sexo se torna puramente emocional e instintiva. Os instintos fazem prevalecer a necessidade da reprodução para a perpetuação da espécie.
Os instintos anulam a inteligência, para que a reprodução da espécie aconteça.

Os detentores do “poder” (políticos, religiosos, grandes corporações) não têm nenhum interesse em promover uma educação sexual adequada à população, a fim de evitar o superpovoamento do nosso planeta. Hoje contamos com 7 bilhões de habitantes em nosso planeta e estima-se que em 15 ou 20 anos estejamos próximos do limite que o nosso planeta é capaz de sustentar – 13 bilhões de habitantes.

Com isso haverá um colapso generalizado em busca de provisões capazes de sustentar essa massa gigantesca de seres humanos. Teremos problemas com água potável, alimentação, saneamento básico, educação, saúde, poluição, superaquecimento global, mercado de trabalho. É possível antever as consequências de um mercado determinado pelos interesses meramente materiais e capitalistas.

Qual a importância da Educação Sexual adequada?

É fundamental que os novos governantes se solidarizem com as políticas de controle da natalidade em condições mais humanas e responsáveis. É possível oferecer essas condições, com base no conhecimento do Tantra, que regulariza e harmoniza a mobilização dessa força instintiva, a fim de suprir o impacto da neurose sexual e sua influência sobre a libido, criando muitas situações de impacto negativo na vida das pessoas.

De nada adianta receber uma orientação sexual fundamentada apenas em conceitos éticos, espirituais ou religiosos, numa visão tradicionalista. Está mais do que provado que isso não funciona! Religiosos têm condutas questionáveis com relação à sexualidade, pois também estão ligados aos princípios primitivos que regem essas forças procriativas no corpo humano.
É necessário conhecer essas forças e direcioná-las para condições não repressivas. Reprimir a energia sexual ou tentar submetê-la a princípios falsamente moralistas não vai reverter o quadro preocupante em que nos encontramos. A situação é grave e emergente.

O aumento desordenado da população mundial, é uma consequência da energia sexual desregulada, que provoca: gravidez indesejada, violência contra mulheres e crianças, vítimas de maus tratos e abusos, abortos, morte por infecção em clinicas clandestinas de aborto, abandono de crianças, discriminação e desvalorização das mulheres, miséria, pobreza, infecções causadas por diversas doenças sexualmente transmissíveis e inúmeras outras situações degenerativas.

O Tantra propõe o desenvolvimento de novas habilidades que anulam a influência dessa força primitiva e restaurem o equilíbrio físico, emocional e espiritual do homem.

O desenvolvimento sexual, a reeducação sensorial e a habilidade de transcender essas forças primitivas por meio do Tantra, acontece através dos sentidos físicos: o tato, o olfato, a audição, o paladar, a visão e mais uma habilidade adicional, o sentido háptico. Pouco conhecido pelas pessoas, o sentido háptico. que pode ser considerado um dos mais importantes e mais atuantes em nosso organismo, pois age em consonância com os outros sentidos, que possuem contrapartes que atuam sobre a nossa biologia, produzindo hormônios e substâncias que interferem no nosso comportamento.

Por isso o Tantra é comportamental. Os estímulos que recebemos atuam, organizando e modelando uma grande parte dos nossos comportamentos.

Quem procura o desenvolvimento pelo Tantra através deve saber que as práticas que oferecemos servem para ressignificar os sentidos e abrir novas conexões neuronais, para que a pessoa possa identificar novas sensações e novos níveis de prazer e de orgasmo. O orgasmo, na nossa visão, possui uma conotação terapêutica, capaz de harmonizar a integridade da pessoa, diminuindo o impacto da força primitiva sobre o indivíduo. A vida então adquire uma outra condição, outra compreensão.

* A energia sexual pode ser utilizada para a fecundação – a ênfase é na penetração e na ejaculação;
* A energia sexual pode ser utilizada para a saúde – a ênfase é conhecer o potencial regenerativo e curativo da energia sexual e sua influência sobre o equilíbrio do corpo e das emoções. Nesse caso, a penetração é dispensável. Promove-se a experimentação de diversas práticas genitais ou corporais sem que haja a motivação da fecundação, da ejaculação ou da penetração.
* A energia sexual pode ser utilizada para a transcendência, um novo estado de percepção, de sensibilidade e de consciência. Nesse caso, uma vez que todo o corpo, inclusive os genitais, tenha se livrado do condicionamento negativo que determina o ato sexual convencional, primitivo, a pessoa pode experimentar um alto nível de penetração, não compulsiva, cadenciada e legitimada por intenções de adequação ao prazer em níveis muito mais altos do que o convencional.

Esse novo entendimento sobre a energia sexual de base só pode acontecer através dos caminhos sensoriais do nosso corpo. Por isso dizemos que o caminho tântrico acontece por meio dos sentidos físicos e não por vias intelectuais.

A pessoa precisa praticar as meditações, precisa conviver com um grupo de afinidades, com pessoas ligadas aos propósitos do trabalho, precisa ter espelhos comportamentais onde possa perceber que seu comportamento está mudando, alcançando outras nuances de troca com maior equilíbrio.

O sexo convencional é neurotizante, cheio de ansiedades, obssessivo e compulsivo, desvitalizante e apropriativo. Como consequência, produz muita insatisfação entre seus praticantes. As mulheres reclamam dos homens e são as mais insatisfeitas, os homens reclamam das mulheres e também se sentem insatisfeitos. Ninguém aprendeu a arte de compreender a linguagem do corpo, a linguagem do sexo, ou como o sexo atua nos indivíduos, influenciando-os.

Quando se fala em sexo, o mercado consumidor associa o prazer com fetiche, com a fantasia, com brinquedos eróticos. Mas, em anos de pesquisas, eu pude comprovar que poucas mulheres conseguem utilizar um vibrador de forma adequada, os homens muito menos. Pouquíssimas pessoas conhecem os seus genitais de forma saudável. Nada se sabe sobre o clitóris, sobre a anatomia feminina ou masculina, pouco se sabe sobre as manipulações genitais que trazem um reforço positivo sobre a intensificação do prazer e do orgasmo.

Mesmo as escolas de medicina negligenciam a importância dos genitais e sua influência para a saúde e o bem estar da pessoa. Os fundamentos da sexologia estão estabelecidos sobre a visão procriativa do sexo e da sexualidade. As fases de desenvolvimento da libido são analisadas sobre o comportamento adolescente e não se propõem práticas mais resolutivas pois os aspectos vinculados ao desenvolvimento sexual esbarram nas implicações filosóficas, éticas, morais e espirituais das pessoas.

Psicólogos e psiquiatras, com poucas exceções, não sabem o que fazer com a energia sexual e suas neuroses. Mesmo a ênfase proporcionada pela Bioenergética e pela visão reichiana deixam a desejar, deturpando alguns princípios sobre a energia sexual, para deixá-los com ares mais acadêmicos, de forma que possam ser aceitos nas universidades. Poucos centros de estudo da sexualidade, no mundo inteiro, estão realmente abertos para uma pesquisa e um desenvolvimento baseados exclusivamente na observação das condições humanas, de forma neutra e imparcial.

Como as propostas de vanguarda, oferecidas pelo meio acadêmico, não surtem bons resultados na maioria das pessoas, o sexo se desvia e vai tomando outros modelos de conduta, sofrendo desvios como o voyerismo, swingers, sadomasoquismo, ou ainda outras formas perversas e agressivas de lidar com a energia sexual, na esperança de encontrar algum sentido que permita à pessoa sentir o prazer e o orgasmo. Muitos homens e mulheres acabam se tornando compulsivos e patológicos, impotentes e anorgásmicos, pois não há uma ressignificação adequada da subida da energia sexual para os centos de decodificação do prazer, localizados no cérebro.

O Tantra é uma Escola de Sexo?

O Tantra não é uma escola de sexo, é uma escola de reeducação sensorial com repercussões em toda a sua vida. Ressignificar a influência e a importância da energia sexual sobre o seu ser irá fazer uma grande diferença em sua forma de viver.

As pessoas que procuram o Espaço Gaya para desenvolverem-se através do Tantra, vão pouco a pouco alterando o seu padrão energético e vibratório, saindo da ansiedade, da compulsão, da obsessão e dos quadros depressivos e neuróticos que caracterizam a falta de orgasmos.

Quando a pessoa entra nos grupos com uma motivação puramente sexual, ela causa inúmeros desequilíbrios, que interferem no seu processo de desenvolvimento e no desenvolvimento das outras pessoas. Nos grupos, o desenvolvimento sensorial e perceptivo acontece através das meditações ativas e das vivências, potencializando a sensibilidade e abrindo a percepção. Não há a utilização de rituais ou esoterismos, para que o indivíduo entre em contato com a sua própria natureza, sem scripts ou roteiros a serem seguidos, permitindo que a liberdade de sentir dissolva os mecanismos repressores e o conduza até a sua sabedoria interior, presente no seu templo interno, o templo do seu próprio corpo.

Não, o Tantra não é um manual de sexo, de posturas rituais rígidas e dogmáticas. O Tantra trata da nossa relação com essa energia vital; da forma como nos apropriamos dela, da forma como fazemos uso dela, da sua relação com os Chakras, centros energéticos localizados no corpo; de como a energia é direcionada para a otimização da vida em vários níveis, em múltiplas transcendências.

O Tantra aprimora a percepção dessa energia e a potencializa, sensibilizando-nos com o prazer. O resultado final pode ser comprovado por quem  já experimentou  um orgasmo muito superior ao conhecido, uma nova forma de viver com muito mais alegria, compreensão e aceitação.

No Espaço Gaya, o Tantra começa com o trabalho corporal, no qual o corpo é o início, o meio e o fim em si mesmo. Seu corpo tem nuances desconhecidas, que só é possível alcançar com a depuração da sensibilidade.

Trazemos no corpo as marcas de fortes condicionamentos impostos pela sociedade ao longo de nossas vidas. Nossos trabalhos objetivam o descondicionamento do corpo, da mente, das emoções e do espírito.

O corpo é o caminho para uma compreensão profunda, que diz respeito aos nossos medos e fraquezas, nossos sentimentos de inferioridade ou de grandeza; as atitudes comportamentais que adquirimos para sobreviver no meio social.

O Tantra é sensorial e desrepressor. 

“O sexo é a energia mais vital do homem e não deveria constituir um fim em si mesmo. O sexo deveria guiar o homem até sua alma. O objetivo é desde a luxúria até a luz”

Osho – Do sexo à Supraconsciência.

Anúncios